Em atendimento à legislação eleitoral, os demais conteúdos deste site ficarão
indisponíveis de 2 de julho de 2022 até o final da eleição estadual em São Paulo.

Menu Mobile CONHEÇA A FUNDAÇÃO OSESP

Festival de Inverno Campos do Jordão

Festival de Inverno Campos do JordãoFestival de Inverno Campos do Jordão

Artistas e Professores

Artistas e Professores


Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí

A Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí é a representante máxima da excelência no ensino de violão clássico do Conservatório. Coordenada pelo renomado violonista Edson Lopes, o grupo, formado em 1996, une professores-monitores e alunos bolsistas e tem por objetivo fornecer alto aperfeiçoamento artístico aos estudantes.
O primeiro trabalho desenvolvido pela Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí foi o projeto “Garoto” e pretendeu difundir as obras deste importante compositor brasileiro, precursor da Bossa Nova. No ano de 1998, o grupo passou a desenvolver frequentemente projetos de pesquisa e divulgação de compositores brasileiros, buscando a promoção da grande diversidade de obras escritas para o universo violonístico. Tais projetos culminaram, no ano 2000, com o lançamento do CD “Vê Se Te Agrada”. Para promover seu primeiro CD, a Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí apresentou-se em diferentes pontos do Estado de São Paulo, em significativos eventos, entre eles a Semana Guiomar Novaes (1998), Festival de Inverno de Campos do Jordão (1998, 1999 e 2002) e Sala São Paulo (2001), além de concertos na Rádio MEC no Rio de Janeiro (1998).
A partir do ano de 2001, passou também a receber solistas convidados, desenvolvendo repertório especialmente adaptado, transcrito ou arranjado, a fim de enriquecer a experiência do grupo. Nesse sentido, passou a se apresentar com violoncelo, coro, clarinete, e outros instrumentos. A iniciativa foi registrada, em 2006, no CD “Convida”, no qual o violão figura ao lado de variados instrumentos em grandes clássicos da literatura musical com obras de J.S. Bach, G. Rossini, A. Vivaldi, J. Pachebel, C. Saint-Säens, A. Dvoràk, sem deixar de fora os brasileiros H. Villa-Lobos, Guerra Peixe, Villani-Côrtes e Zequinha de Abreu.

Voltar